Textes poétiques

Congresso Internacional do Medo

Congresso Internacional do Medo

Textes poétiques

  Provisoriamente não cantaremos o amor, que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos. Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços, não cantaremos o ódio porque esse não existe,

Lire la suite

Confidência do Itabirano

Confidência do Itabirano

Textes poétiques

  Alguns anos vivi em Itabira. Principalmente nasci em Itabira. Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro. Noventa por cento de ferro nas calçadas. Oitenta por cento de ferro nas almas. E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

Lire la suite

Sentimento do mundo

Sentimento do mundo

Textes poétiques

   Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo, mas estou cheio de escravos, minhas lembranças escorrem e o corpo transige na confluência do amor.

Lire la suite

Necrológio dos desiludidos do amor

Necrológio dos desiludidos do amor

Textes poétiques

    Os desiludidos do amor estão desfechando tiros no peito. Do meu quarto ouço a fuzilaria. As amadas torcem-se de gozo. Oh quanta matéria para os jornais.

Lire la suite

Em face dos últimos acontecimentos

Em face dos últimos acontecimentos

Textes poétiques

    Oh! sejamos pornográficos (docemente pornográficos). Por que seremos mais castos que o nosso avô português?

Lire la suite

Hino nacional

Hino nacional

Textes poétiques

  Precisamos descobrir o Brasil! Escondido atrás das florestas, com a água dos rios no meio, o Brasil está dormindo, coitado. Precisamos colonizar o Brasil.

Lire la suite

Soneto da perdida esperança

Soneto da perdida esperança

Textes poétiques

  Perdi o bonde e a esperança. Volto pálido para casa. A rua é inútil e nenhum auto passaria sobre meu corpo.

Lire la suite

Aurora

Aurora

Textes poétiques

   O poeta ia bêbedo no bonde. O dia nascia atrás dos quintais. As pensões alegres dormiam tristíssimas. As casas também iam bêbedas.

Lire la suite

Sociedade

Sociedade

Textes poétiques

   O homem disse para o amigo: – Breve irei a tua casa e levarei minha mulher. O amigo enfeitou a casa e quando o homem chegou com a mulher, soltou uma dúzia de foguetes.

Lire la suite

Quadrilha

Quadrilha

Textes poétiques

   João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Lire la suite